Made in Italy

A semana de Moda de Milão acabou há pouco, por isso vamos dar uma olhadinha nos melhores momentos e rever os principais pontos de cada desfile!

Como sempre, Emporio Armani investiu na elegância baseada na alfaiataria. Apa o inverno, tudo ou cinza, ou preto, com a sobriedade contrastada (ou afirmada) pelo formato dos trajes. A cintura, incontestavelmente, volta ao seu lugar enquanto armani brinca com modelagens de inspiração de 1940, 1950 e 1970. As saias estão ou nos joelhos ou no meio da coxa.

Emporio Armani Emporio Armani Emporio Armani
Emporio Armani Emporio Armani Emporio Armani

Já a Giorgio Armani utilizou muitos tons opacos realçados por detalhes com bastante saturação. O tom clássico e elegante da segunda linha foi mantido na marca principal utilizando-se as mesmas referências (cintura alta em modelagens de saias lembrando as décadas de 1940 e 1950 e calças pantalonas que repetiam a de 1970). O floral continuou apesar da mudança de estação. Os comprimentos ficaram todos ou no joelho ou no tornozelo.

Giorgio Armani Giorgio Armani Giorgio Armani
Giorgio Armani Giorgio Armani Giorgio Armani

Com a cronologia crava em algum lugar no fim da década de 1960 e início de 1970, talvez naquele conturbado ano de 1968, se passou o desfile da Just Cavalli. Saias curtas, chapéus de abas moles e uma silhueta fluída ajudaram a precisar a época, em sintonia com as estampas e bordados folk, as xadrezes interioranos e transformações animalescas (uso da silhueta de um flamingo e estampas de padronagens de onças e outros animas).

Just Cavalli Just Cavalli Just Cavalli Just Cavalli Just Cavalli

A marca mãe, Roberto Cavalli, tentou algo um pouco mais conservador, com comprimentos no joelho e uso indiscriminado de preto, mas com referências bem diferentes. Apesar de o glamour dos anos 50 ter sido apontado como principal tendência no desfile, a escolha de cores e as combinações com elas feitas lembra em muito as pinturas folclóricas polonesas e russas.

Roberto Cavalli Roberto Cavalli Roberto Cavalli Roberto Cavalli

A tradicional Missioni saiu por uma tangente não tão tradicional assim. Repleta de geometrismos, a coleção saiu bastante minimalista, corrente que vai contra as últimas semanas de moda. Os cores foram bem sóbrias e os shapes bem distantes do corpo.

Missoni Missoni Missoni
Missoni Missoni Missoni

O volumes foi a grande aposta de Alberta Ferretti, que utilizou cores fortes aliadas ao preto e chumbo em tecidos brilhantes, rígidos ou fluídos, para dar a sustentação. Algo interessante, que também apareceu em ouros desfiles, foi o uso de tule, antes visto como forro, na parte de fora das roupas.

Alberta Ferretti Alberta Ferretti Alberta Ferretti Alberta Ferretti Alberta Ferretti

Até mesmo a jovem marca D&G mostrou um grau elevado de sofisticação! Apesar das formas fluídas e aparentemente desleixadas dos vestidos xadrezes que repetiam muito à juventude setentista, os laços, sueters, comprimento no joelho, chapéus e cintos fininhos mantiveram a graça dos looks.

D&G D&G D&G D&G

Dando continuidade aos lenços e xadrezes, mas com ares mais adultos, transcorreu o desfile de Dolce & Gabbana. As formas fluídas continuam, mas agora um pouco mais rupestres. O comprimento declarado para as saias é abaixo dos joelhos enquanto as calças mantêm-se no ossinho do tornozelo (alta assim mesmo!), tanto skinny quanto as mais largas, que pareciam até um pouco baggy.

Dolce & Gabbana Dolce & Gabbana Dolce & Gabbana Dolce & Gabbana

Sempre se inovando, Miuccia Prada apostou geometrismos. Porém, como seu forte é sempre o contraste, afastou o minimalismo comum das formas geométricas com muitas rendas. A palheta utilizada foi composta majoritariamente por preto, mas houve pinceladas de laranja, marrom, dourado e azul bebê. O comprimento nas proximidades do joelho foi inquestionável.

Prada Prada Prada Prada

De cara jovem, a Marni utilizou várias cores misturadas a tons de cinza para preenxer suas formas minimalistas e modernas. Abusando dos volumes e sobreposições, a coleção lembra vagamente a década de 1960, parecendo bastante contemporânea. Há algo de muuuuito semelhante entre este desfile e o de Marc Jacobs de verão 2008, mas… Fazer o que?

Marni Marni Marni Marni Marni

Enlevando a dolcezza feminina, Luisa Beccaria utilizou apenas braço, creme, bege, cinza dourado, roxo, azul e outras matizes bem clarinhas. Babados, laços, bordados, volumes e modelos infantis também foram escalados para tarefa, que rendeu um dos desfiles mais fofos da estação!

Luisa Beccaria Luisa Beccaria Luisa Beccaria Luisa Beccaria Luisa Beccaria

por Thais Arrias Weiller

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: