Archive for Compras

Vendas na Internet ajudam pessoas que fazem seu próprio negócio

Thaís produz em casa os produtos que são comercializados na Internet

O comércio pela Internet está cada dia mais comum. Além disso, é uma boa oportunidade para fazer divulgação de produtos, como nos casos em que as pessoas produzem seus próprios materiais. A maioria dessas pessoas é atraída pela Internet por causa da não exigência de um capital financeiro, o que ocorre em uma loja em ambiente físico.
Thais Arrias Weiller produz acessórios femininos para colocar no cabelo e disponibiliza os materiais na rede virtual. No site próprio, (www.beyla.tk) que pode ser visualizado em português ou inglês, estão dispostas informações sobre os produtos, sobre a empresa e o link para contato.
Segundo Thais, o perfil de seus compradores ainda não está muito bem definido e esse foi um dos fatores que além do lado financeiro, a fez montar a loja virtual. “Eu achei que a Internet seria o melhor meio de encontrar esse público que eu ainda não sei quem é, porque ela me permite essa facilidade de oferecer os produtos aos mais diversos públicos ao mesmo tempo”, afirma.
A “Picnic de Elefante” é outro exemplo de marca que possui apenas loja virtual. Isabela Seghese, proprietária da marca que produz roupas, bolsas e acessórios, também vê a Internet como um meio de divulgar a marca. “Eu vejo a Internet não somente como um veículo de vendas, mas também como de publicidade e facilidade de comunicação. Com ela posso divulgar a marca para todo o mundo”.

PS: A foto foi retirada do site http://www.beyla.tk

por Mayah Gasparoto

Anúncios

Leave a comment »

Brechó Virtual Futuro do Pretérito

A compra em brechós está ficando mais comum e requisitada por consumidores que gostam de se vestir de uma maneira diferente e exclusiva. Essa busca por originalidade está deixando esses locais com um status diferente se comparado a anos anteriores. Isso pode ser percebido no aumento dos preços dessas peças.
Em Maringá, além dos brechós espalhados pela cidade, existem alguns que funcionam apenas virtualmente, um desses casos é o Futuro do Pretérito. O brechó virtual foi inaugurado no dia primeiro de setembro desse ano e logo no primeiro dia totalizou 1200 visitas. A iniciativa é de duas estudantes de moda e freqüentadoras assíduas de brechós, Bruna Anadão e Carla Maria de Souza. A venda é feita pela internet, e as informações mais sigilosas, como o número da conta para depósito são trocadas por email.

brechó Futuro do Pretérito Bruna e Carla, proprietárias do brechó virtual Futuro do Pretérito

Um brechó instalado em espaço físico tem a vantagem de a pessoa provar e ver se realmente dá certo. Mas uma das proprietárias do brechó virtual, Carla Maria de Souza, afirma que nunca teve problemas com roupas que não deram certo. “A gente especifica bem o tamanho da peça e coloca as fotos especificando o produto”.
As pessoas que compram em brechó comumente buscam a exclusividade. Bruna Anadão explica que as pessoas que buscam produtos em brechós, fazem isso porque gostam de ter peças únicas. “Não dá para escolher cor nem tamanho, tem que ser aquela peça”, afirma.
As duas proprietárias do brechó virtual, Futuro do Pretérito comentam que no momento as blusas de calor têm mais saída, mas as de inverno também são bastante procuradas. “Geralmente é difícil achar uma blusa de frio que está legal, em bom estado, então quando você acha é ‘a blusa’”, afirma Bruna.
Para conhecer o brechó virtual clique aqui.

por Mayah Gasparoto

Comments (4) »

Barganha na Diesel!

Barganha da Diesel

Fans incondicionais da Diesel e sem muita verba , fiquem atentos! Por um dia, únicamente nesta sexta feira (10), a marca irá vender um modelo de suas calças por apenas R$300,00 . Tendo em vista que o preço comum dela é algo perto de U$240,00 (no Brasil, dificilmente a baixo dos R$1.000,00), não será estranho perguntar: estão loucos ou falindo? Não não, apenas o contrário. A marca está comemorando os 30 anos e, falando francamente, com uma estratégia até que um pouco convencional secomparada a outras peças de marketing da Diesel. Particularmente, meu exemplo favorito é de quando eles utilizaram, durante uma coleção inteira, uma dita famosa cantora do leste europeu como garota propagada e avisaram, nas vesperas do lançamento da coleção seguinte, que a cantora na verdade não existia e várias modelos e atrizes a representaram ao longo dos seis meses.

O modelo em questão é o Dirty Thirty (foto), um modelo novo mas que têm todas as caracteristicas tradicionais da marca italiana, como as lavagens, recortes e rasgos. A Oferta estará disponível tanto pela rede quanto em lojas da marca. No Brasil, a única que deve participar é a da Rua Haddock Lobo, nos Jardins.

Então resumindo; nesta sexta (10 de outubro), na Diesel dos Jardins calças por R$300,00. Mais detalhes da loja, a baixo.


Rua Haddock Lobo, 1573, Jardins
 (11) 3082-4937 / 3081-7500

por Thais Arrias Weiller

Leave a comment »

Get chucked

A nova coleção (outono/inverno) da Converse criada por John Varvatos acaba de sair, tal como a publicidade da mesma. A campanha tem como estrela a modelo britânica Daisy Lowe e foi fatida no Florent, uma lanchonete ícone da noite novaiorquina. O slogan, get chucked, faz menção ao nome do modelo dos tenis, Chuck Taylor, aquele de cano intermediario, e já vem sendo usado há algum tempo. Tanto o slogan quanto a linha especial de John Varvatos são parte da comemoração do centenário da marca, que aconteceu este ano.

Converse Converse Converse Converse

Além destas fotos maravilhosas, nos USA está sendo vinculada esta propaganda com Julian Casablanca, N.E.R.D. e Santogold e produzido pelo Pharell.

por Thais Arrias Weiller

Leave a comment »

Brechós Virtuais

Como prometido, vamos falar de alguns brechós na internet, começando pelos tangíveis. Particularmente, eu compro brechó da Tatileine e nunca tive problemas. Como o dela, há varios outros brechós que usam a plataforma do Flickr para expor suas mercadorias; se visitar a seção de amigos dela, há varias opções de outros brechós.

No Compre Compre há muita variedade de itens, todos bem alinhados com o design atual. O problema é que nem tudo é, de fato, usado, por isso não sei bem para que usar o nome brechó. Ainda sim, há várias peças lindas.

No Era meu pode ser seu há várias opções, embora a maioria seja mais recente. No C’est Vintage ms preços são um pouco acima da média, mas os itens são mais diversificados e há MUITAS escolhas em óculos de sol.

Para quem é tamanho P ou menor, o Filet pra quem é Mignon tem muitas opções em peças usadas (não vintage!) de marcas grande aqui do Brasil. Também com peças de marcas brasileiros e só trabalhando com itens novos e semi-novos tem o Mercado das Pechinchas, que trabalha com um preço alto por itens Premium.

O moda to go é o brechó brasileiro com mais cara de loja. Há itens de todo tipo, com todo preço e de toda espécie, mas a maioria são itens usados ou semi-novos com, no máximo 20 anos.

Bem, apesar de próximos e terem ótimas opções para os mais modernos, quem procura itens com mais história acaba ficando na mão na maior parte das vezes se for levar em conta os endereços acima. Não achei nenhum brechó brasileiro que venda pela net peças, de fato, vintage e com valor histórico e, por isto, a parte de brechós internacionais está cheio delas.

O Vintage Textile é um deles. Nele, você pode ter certeza da autenticidade dos itens vendidos. Tal infabilidade é traduzida nos preços… São poucos os vestidos por menos de mil dólares; há casacos de mais de 10 mil dólares… Mas também, é um dos poucos que conheço a trabalhar com peças anteriores à 1920.

O Fashion Dig é interessante por que funciona quase como um mercado livre de peças antigas. Você pode se registrar e vender peças da família para ganhar uma grana ou fazer compras selecionando a década, o tipo de item e a utilização que ele deve ter. É ótimo para pessoas mais seletivas e os preços são mais baixos, mas tem o problema da autenticidade, por isto é sempre bom estar de olho na qualificação do vendedor.

O Day Lab é uma daquelas lojas interessantes; vende peças Vintage junto à criações exclusivas junto à itens mais comuns. Tem uma paleta enorme de itens a escolha, mas boa parte deles são novos e os vintage costumam ter apenas um de cada, por isto é bom ficar sempre atento!

Apesar de tantas opções, o meu favorito ainda é o AdoreVintage. A opção de trajes é menor e não há tantos itens à venda, mas além do site ser lindo, a criadora tem um super comprometimento com a loja. Isto fica claro pelos editorias e pelas fotos de cada peça, todos muito bem feitos, e ainda pelo cuidado que ela tem de, ao compra uma peça que não a agrada do jeito que é, são feitas modificações até esta ficar linda. = )

por Thais Arrias Weiller

Comments (3) »

Trajes usados ganham vida nova

Junho de 2006, verão europeu; Françoise, a caminho da praia, resolve dar um up no visual e passa em um brechó para algumas compras. Dentre outras peças, encontra uma pantalona de cintura alta branca (que poderia, muito bem, ter pertencido a Brigitte Bardot), a qual não conseguiu parar de usar durante as férias. Agosto de 2006, lançamento do verão 2007 do prét-a-porte (roupas prontas para o uso) no hemisfério norte, a pantalona estoura em várias marcas como o formato de calça mais promissor para o verão do ano seguinte.

Apesar de tratar-se de uma ficção, a história acima narrada descreve o atual ciclo da moda; maior parte da população está em conformismo com o estilo vigente, algumas pessoas sugerem, conscientemente ou não, uma idéia nova, que é quase que automaticamente fisgada pelos pesquisadores de tendências, colocadas em malotes de estilo e vendidas aos conglomerados e/ou grandes varejistas de moda, por quem são lançadas como a última novidade da estação.

Comumente, a imprensa trata de noticiar estas ideias no lançamento das coleções em grandes eventos, dificilmente tratando de seu período de criação com estas pessoas, conhecido entre os teóricos de moda como inovadores. Um dos locais favoritos para pesquisa e compras destes ditos inovadores, segundo uma integrante da casta, Paula de Alcântara, 17, tendo em vista a variedade de estilos e a diferenciação do que geralmente é encontrado nas lojas.

“Não importa em quantas lojas você entre, todas vendem produtos com muito pouca diferenciação entre si. Na época que a saia godê voltou, todo lugar tinha, fosse em vestido, fosse em saia, mudando apenas o tecido, as cores e um ou outro detalhe. A verdade é que as confecções daqui costumam pegar informação em São Paulo e as de lá pegam na Europa ou nos EUA. Na verdade, todos acabam fazendo quase a mesma coisa” explica Paula, que ainda defende “Mesmo que amaior parte das pessoas procura pensar, agir e se vestir de forma o semelhante possível, não somos todos iguais. As roupas deviam demonstrar nossa individualidade, e não uma massifição coletiva, por isto prefiro comprar em brechós e fazer customizações em casa”.

Além da enorme gama de opções quanto ao estilo, Paula também prefere o brechó por questões financeiras, já que “dinheiro de estudante não dá para quase nada”, mas garante que apesar de ser, de fato, mais barato que roupas novas, a vantagem contábil não é tão grande “Em Maringá, os brechós parecem não saber bem o que fazem quanto aos preços; algumas roupas de material ruim, marcas desconhecidas e mal acabadas as vezes custam mais caro que roupas bem superiores! Uma vez, comprei um blazer da marca alemã Escada Couture com tecido 100% seda por metade do preço de um de polyester”.

Lucas, por outro lado, apesar de gostar, não efetivou ainda muitas compras; apenas três paletós. Porém, foram três compras estremamente racionais, já que levou em consideração “serem peças que queria há algum tempo, por serem de bons tecidos e por terem detalhes interessantes como botões bonitos”.

Bem, nesta minha looonga vida (algo mais que vinte anos), pude passar por muitos brechós. Alguns muito bons, outros nem tanto; mas de qualquer forma, tenho os endereços. Se são uteis a alguém, não sei, mas vou deixa-los aqui em baixo. = )

Brechós ótimos e que recomendo:

Passado Presente – Rua Augusta, São Paulo – (11) 3081-6253
Vó Judith – Rua do Carmo, São Paulo – (11) 3105-4753
Camarim – Rua Antonio de Macedo, São Paulo – (11) 5543-5304
Capricho à Toa – Rua Heitor Penteado, São Paulo – (11) 2137-5926
DeGriffée – Av. Ibirapuera, São Paulo – (11) 5083-4747
Minha Avó Tinha – Rua Dr.Franco da Rocha, São Paulo – (11) 3865-1759
Sinhá Moça – Av. Borges de Medeiros, Gramado, RS – (54) 3286-2762

Alguns não tão bons, mas em Maringá:

Garage Sale – Av. Neo Alves Martins; perto da Duque de Caixias, na direção da Av.Paraná – (44) 3031-6051
Brechic – Esquina da Rua Joubert de Carvalho com Piratininga – Perguntar o telefone do Garage Sale, visto que são da mesma dona e não consta na lista
Maristela Shimabukuro – Rua Martim Afonso Pena, 2776 – (44) 3031-5052
Brechó sem nome – Av. Tamandaré, 734 – (44) 3226-7192

Hoje, não é mais necessário ir à loja para realizar este tipo de compras; pode-se usar apenas a internet. Na segunda feira vou deixar os links de alguns que confio ou que tenham chamado minha atenção (embora alguns destes sejam de outros países e não entreguem aqui… =~)

por Thais Arrias Weiller

Comments (1) »

Novo Perfume Isabela Capeto

No formato da boneca da logomarca só que todo na cor branca, Isabela Capeto lança seu segundo perfume. O branco do frasco convida o dono do perfume a customiza-lo, de forma que, no evento de lançamento, estavam expostas as versões feitas por alguns artistas plásticos (ver fotos), como Adriana Varejão, Hugo Frasa, Renata Tassinari, Carlito Carvalhosa, Rosana Palazyan, Fernanda Chieco, Ana Elisa Egreja, Gabriela Maciel, Tatiana Blass e Sandro Akel.

Perfume Isabela Capeto por Roberto Cabot Perfume Isabela Capeto por Marta Jourdan Perfume Isabela Capeto por Gabriela Machado Perfume Isabela Capeto por Suzana Queiroga Perfume Isabela Capeto por Smael Perfume Isabela Capeto por Claudia Bakker

O perfume é a segunda parceria de Isabela com a Perfumaria Phebo e o lançamento ocorreu hoje.

por Thais Arrias Weiller

Leave a comment »